English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
Translate into your language / Traduza para o seu idioma.

Excesso de limpeza pode resultar em doenças infecciosas.

0 comentários


Este conteúdo foi publicado no segmento de ciências do portal "Folha.com" em 23/03/2012. Trata-se de assunto relativamente consensuado perante a sabedoria popular e a profissionais da área da saúde, mas que agora se reveste de maior credibilidade por ter sido submetido a um protocolo científico. Sendo assim, mamães e papais, prestem atenção: além de leite e carinho, proporcionem alguns "bons micróbios" para seus bebês, pois é uma ótima opção para a saúde futura dos rebentos. É o que mostraram cientistas nos EUA e na Alemanha. É o que já diz, há tempos, a chamada hipótese da higiene, segundo a qual um pouco de falta de asseio...
no começo da vida ajuda a impedir que o filhote contraia coisas como asma ou doença inflamatória intestinal.

Crianças criadas em fazendas têm menos doenças inflamatórias que as que crescem em cidades, pois são expostas a uma variedade maior de micróbios, segundo a "hipótese da higiene". Isso explicaria o aumento dessas doenças em ambientes urbanos nas últimas décadas. O excesso de limpeza poderia ser até prejudicial, segundo essa visão. E não adianta adiar o encontro com os micro-organismos. A exposição a eles na fase adulta não reverte o quadro das doenças inflamatórias, várias delas crônicas. Isso acaba de ser claramente demonstrado em uma série de experimentos feitos com camundongos.

Os pesquisadores estudaram roedores praticamente livres de micróbios, criados em condições estéreis e recebendo comida sem germes, além de seus colegas em condições mais naturais. O estudo foi coordenado por Dennis Kasper e Richard Blumberg, da Escola de Medicina da Universidade Harvard, e publicado na revista especializada "Science".

A exposição a micróbios desde cedo alterou os níveis de células de defesa do organismo, as chamadas células T assassinas naturais. Ao contrário do que se poderia imaginar, os camundongos sem micróbios tiveram índices mais altas de inflamação dos pulmões e do colón, semelhantes à asma e à colite. Isso foi obra de células T excessivamente zelosas na defesa do organismo. Tanto que causaram um problema em vez de resolvê-lo.

Para testar a "hipótese da higiene", a equipe expôs filhotes de camundongos aos micróbios de praxe. O resultado foi um sistema de defesa com sintonia mais adequada e a prevenção dessas doenças inflamatórias. Fazer a mesma coisa com camundongos adultos não deu certo, mas a proteção aos filhotes "microbizados" foi duradoura. Na falta dos micróbios "do bem", o organismo produziu um excesso de uma substância conhecida como CXCL 16, vinculada à inflamação. A sobra da molécula poderia estar ligado ao acúmulo das células T.

Para Blumberg, foi surpreendente encontrar esse sinal microbiano "crítico", que está ligado à "educação" do sistema de defesa do organismo, durante as primeiras semanas de vida. Os autores do estudo afirmam que o CXCL 16 é um fator que, na presença de micróbios, regula a quantidade e a função das células T no cólon e nos pulmões, "e, consequentemente, a suscetibilidade à inflamação dos tecidos". Mas eles lembram que o mecanismo exato pelo qual os micróbios causam isso ainda é desconhecido. E é isso que eles estão tentando estudar agora.


Eugenia... Você foi selecionado!

O painel abaixo registra o país e o número de pessoas do referido país que visitaram o site pela primeira vez.
Bem vindos / bienvenidos / Bienvenue / 欢迎 / Welcome / Willkommen / benvenuto / ...
free counters
  •