English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
Traduza para o seu idioma! / Translate into your language!

Postagem em Destaque.

Cinco questões de saúde pública que preocupam o mundo.

Essa postagem é uma adaptação de matéria publicada pela Agência France-Presse (AFP) no dia 19 de junho de 2014 e que, de alguma forma, nos...

A definir...
BRAVERY Epic Powerful Cinematic Orchestral Music.

Eugenia... Você foi selecionado?!

1 comentários


Não é esporádico lermos ou ouvirmos a expressão "O conhecimento liberta!". Talvez os melhores representantes desse aforismo sejam o filósofo grego Sócrates (479-399 a.C.) a quem é atribuída a frase Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o universo e os deuses e, no Novo Testamento, mais precisamente em João (8:32) onde registra-se a seguinte citação atribuída a Jesus: E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.

Seria muita presunção desse modesto texto discorrer sobre a natureza da verdade! Trata-se de conceito desafiador e que inquieta a humanidade desde os primórdios, sobretudo quando é assumindo o viés religioso. Assim, em pleno Século XXI, ainda se discute se a verdade é real e absoluta ou relativa e ilusória, tal qual faziam os filósofos na antiga Grécia.

Já no campo científico a inquietação acerca da verdade foi, praticamente, pacificada na primeira metade do século XVII quando da publicação de um tratado do filósofo René Descartes (1637), intitulado Discurso sobre o método, que trata de um método para bem conduzir a razão na busca da verdade dentro da ciência. A partir da publicação de Descartes, portanto, a ciência assume o seu caráter relativo e ilusório em relação à verdade.

Passando agora a discorrer, efetivamente, sobre o tema da postagem, parece inevitável a necessidade de definir o termo Eugenia, cuja autoria é atribuída a Francis Galton (1822-1911) e quer dizer, literalmente, "Bem Nascido". Para Galton, trata-se do estudo dos agentes sob o controle social que podem melhorar ou empobrecer as qualidades raciais das futuras gerações seja física ou mentalmente. Além de ser primo de Charles Darwin, o inglês Galton foi antropólogo, matemático e estatístico. Ao introduzir o conceito de eugenia, ele propôs a substituição das forças cegas da seleção natural, como agente propulsor do progresso, por uma seleção consciente e que a humanidade deveria usar todo conhecimento adquirido pelo estudo e pelo acúmulo evolutivo dos tempos passados a fim de promover o progresso físico e moral no futuro.

O tema é quente, controverso, polêmico e, por isso, inevitável. Mas, arrisco-me dizer que se não fossem os acontecimentos nefastos patrocinados por Adolf Hitler, na Alemanha Nazista durante a II Guerra Mundial, envolvendo a perspectiva de pureza de raça, talvez esse assunto não fosse envolto em tanta polêmica. A eugenia na dimensão da ideologia da pureza racial, patrocinada pelo regime político nazista e que culminou no holocausto, representa uma página que espera-se envergonhar para sempre a humanidade.

Já no universo científico existe uma corrida frenética ao desenvolvimento de técnicas de melhoramento genético que, após confirmadas a eficácia e eficiência, são implementados largamente em micróbios, plantas e animais. Ainda existem ressalvas e questionamentos éticos quanto ao seu uso nos seres humanos, chegando-se ao ponto de alguns cientistas declararem ser impossível mudar a natureza humana, ou seja, a maneira de pensar, sentir, agir, etc,.

É inegável o progresso que a Biologia Molecular vem experimentando após a descoberta da estrutura tridimensional da molécula do DNA (Ácido Desoxirribonucleico), por James Watson e Francis Crick, em 1953. Outro feito de valor incomensurável para o futuro da humanidade foi o sequenciamento do genoma humano - denominado Projeto Genoma - que demorou 50 anos até o desenvolvimento e domínio das técnicas biomoleculares adequadas; tempo relativamente pequeno no âmbito da história da ciência.

Parece evidente que as bases para a manipulação gênica já estão inteiramente sob o controle da ciência. A descoberta de Watson & Crick abriu uma nova era para a ciência e vem causando uma verdadeira revolução na investigação científica relacionada às ciências da vida. Ou seja, o que aconteceu até agora está longe de ser o final da história e sim o início de mais um capítulo.

Uma área alvo de muita atenção, tensão e preocupações relativas aos avanços já acumulados é a Embriologia e Reprodução. Basicamente, apenas preceitos ético, morais e religiosos estão contendo o conhecimento acumulado nessa área, para que permaneça restrito ao ambiente acadêmico. Considerando o extraordinário avanço da Biologia Molecular, parece ser impossível prever como será o processo de geração de seres humanos daqui a 100 anos, uma vez que o congelamento de embriões, a fecundação in vitro, a barriga de aluguel romperam a barreira da resistência social e podemos dizer que já são práticas relativamente corriqueiras. A escolha do sexo (sexagem) também está disponível na fecundação in vitro, se for desejo do cliente! A clonagem humana ainda ostenta a condição de inadmissível / inaceitável! Mas animais de estimação já são clonados em várias partes do mundo. Parece que o individuo humano resultante da fusão aleatória de um gameta masculino - dentre milhões possíveis - com um gameta feminino, no futuro não tão distante, será apenas mais uma opção de reprodução disponível, comercialmente.

Numa outra extremidade; e esta de maior consenso social, vemos a moderna Biologia Molecular, representada pela descoberta da estrutura em dupla hélice da molécula de DNA e pelo projeto genoma, apontar para outros horizontes igualmente fascinantes como a possibilidade de síntese de medicamentos personalizados de acordo com o código genético de cada indivíduo; aumentando a eficiência / eficácia e melhorando o perfil toxicológico.

Retomando o inicio do texto, reconheço que o conhecimento liberta e a ignorância aprisiona. Mas, também, sou de opinião que cada um é escravo do conhecimento ou da ignorância que tem.

-----------------------
Referencias consultadas. 
DEL CONT, Valdeir. Francis Galton: eugenia e hereditariedade. Sci. stud.,  São Paulo ,  v. 6, n. 2, p. 201-218,  June  2008.
A descoberta do DNA e o projeto genoma. Rev. Assoc. Med. Bras.,  São Paulo ,  v. 51, n. 1, p. 1,  Feb.  2005.



1 comment

27 de maio de 2019 07:18

Muito bom saber mais sobre o referido tema... Bastante interessante!

Reply
Postar um comentário
  • Já foi publicado...
    O painel abaixo registra o país e o número de pessoas do referido país que visitaram o site pela primeira vez.
    Bem vindos / bienvenidos / Bienvenue / 欢迎 / Welcome / Willkommen / benvenuto / ...
    free counters

    Siga-nos se for capaz...!