English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
Translate into your language

Criação versus Evolução: Como está o placar?



Créditos:
Prof. Isaac Epstein / Unicamp e da Universidade Metodista de São Bernardo do Campo.

Criacionismo e Evolucionismo são duas propostas contraditórias que dizem respeito à ocorrência temporal de um fenômeno: a origem do homem. A primeira, criacionista radical, adotada pela teologia judaico-cristã, foi expressa com surpreendente precisão pelo bispo anglicano de Armagh, Usher, no final do século XVII, que decidiu, baseado em textos bíblicos, que o mundo tinha sido criado precisamente no ano 4004 AC, juntamente com todas as espécies tal como existem atualmente. A segunda, o evolucionismo, adotada pela ciência, propõe que o universo surgiu há cerca de mais ou menos 13 bilhões de anos atrás, a vida em nosso planeta, com suas formas mais primitivas de organismos unicelulares, há cerca de 3.5 bilhões de anos.

Desde então, até a atualidade, através de inumeráveis transformações e algumas extinções em massa, chegamos a cerca de 30 milhões de espécies de seres vivos, apesar de, até o momento, apenas 1.5 milhão terem sido descritas. Mais impressionante que este número de espécies existentes, é que estes 30 milhões de espécies atualmente existentes representam apenas cerca de 0.1% das espécies que existiram na Terra. Isto significa que cerca de 99.9% de todas as espécies que habitaram o globo foram extintas.Apoiando o criacionismo radical está a fé religiosa que é baseada nos textos bíblicos. O evolucionismo é apoiado em evidências cosmológicas, geológicas, arqueológicas e antropológicas. Sua negação envolve a recusa em aceitar uma boa parte das ciências naturais, principalmente as descrições da história do planeta e da vida.

Quanto à origem das espécies e do homem em particular, todos os processos de avaliação da idade dos fósseis tanto animais como do próprio homem e de seus precursores mais imediatos apontam números totalmente incompatíveis com os fixados pelos textos religiosos. O quadro da evolução biológica da transformação das espécies por geração de variedade e seleção por aptidão à sobrevivência, inaugurada por Darwin, apresenta alguns pontos obscuros ou ainda não totalmente absorvidos pela teoria da evolução, mas é geralmente aceito em suas linhas gerais pela totalidade dos cientistas.

Na tentativa de amenizar o hiato entre o tempo da criação bíblica e a imagem fornecida pela ciência, o criacionismo compreende atualmente uma certa variedade de crenças deslizando desde a interpretação literal da Bíblia até um criacionismo progressivo, criacionismo contínuo, evolucionismo teista, etc. O anti-evolucionismno é mais ativo entre grupos do sul dos Estados Unidos. Henry M.Morris antigo professor universitário e um grupo de criacionista organizaram em 1963 a 'Sociedade para a Investigação da Criação'. Em 1972 fundou o Creation Research uma instituição privada não lucrativa cujo objetivo original é publicar literatura criacionista e fazer campanha nas escolas públicas a favor das interpretações bíblicas da origem do homem. Este movimento está ligado a grupos religiosos e politicamente se situa entre os mais conservadores.

Não acreditamos que, do ponto de vista da ciência, o criacionismo mereça mais do que uma breve menção não sendo suas razões capazes de abalar o edifício das crenças científicas e das evidências a favor do evolucionismo. A teoria evolucionista naturaliza o homem fazendo-o parte imanente e contingente de um processo mais amplo e global. O criacionismo lhe atribui uma origem transcendental e necessária através do sopro da vontade divina. Assim o evolucionismo explica a origem do homem de "baixo para cima" a partir de formas menos complexas e o criacionismo de "cima para baixo" através do ato divino.

Esta polêmica, a nosso ver anacrônica do ponto de vista da ciência adquire, não obstante, uma coloração específica e atual quando transportada para a origem da vida social, dos valores e da ética das sociedades humanas. A ética, em geral tem sido definida como a ciência da conduta. Como tal, sua natureza foi atribuída a normas religiosas reveladas, na especulação filosófica, à razão prática, sendo reservada à ciência positiva a sua descrição empírica nas diversas sociedades. Em contraposição à sua origem de "cima para baixo" dois autores, entre outros, Nietzsche e Freud, justificaram, cada um a seu modo, a naturalização da ética, postularando a sua "genealogia" de "baixo para cima".

Ora atualmente um movimento científico a sociobiologia que é uma disciplina que "consiste no estudo científico da base biológica de todas as formas de comportamento social em todos os tipos de organismos, inclusive o homem" recoloca a antiga polêmica em outros termos. Na disputa secular entre a natureza e a cultura (Nature or Culture) como agentes determinantes do comportamento social, disputa esta muitas vezes exacerbada por matizes ideológicos, a sociobiologia pende para uma posição definida: a própria organização social dos seres humanos seria uma conseqüência das pressões dos mecanismos darwinianos de seleção natural. Tal como os insetos e muitos animais o comportamento social do homem teria sido, originalmente, sua resposta evolutiva às pressões existentes no nicho ecológico em que atua.

Eis que, novamente se tenta naturalizar setores tradicionalmente geridos pelo saber filosófico ou religioso. Serão então nossos mais caros valores, como o altruísmo, e a solidariedade não atributos exclusivos da espécie humana, mas compartilhado por outras espécies?

O altruísmo, por exemplo, que considera, como o fim da conduta humana, o interesse do próximo e se resume nos imperativos: "Viva para outrem", ou "Ama o próximo mais que a ti mesmo", sempre desafiou uma explicação "naturalista". O próprio termo altruísmo tem ocorrido mais freqüentemente nos textos religiosos ou literários do que nos discursos das ciências humanas. Valorizado em diversas religiões, chega a atribuir uma aura de santidade a seus portadores infatigáveis.

Nas últimas décadas, no entanto, o altruísmo tem tido duas entradas no campo das ciências do comportamento: a primeira se refere a estudos de etologia e comportamento animal; a segunda a uma situação típica, quase um paralogismo, referente a uma situação descrita pela teoria de jogos e denominada de "Dilema do Prisioneiro". Quanto ao comportamento animal, o altruísmo pode ser considerado como um comportamento auto destrutivo tendo como objetivo o benefício de outrem. Esta auto destruição pode variar em intensidade desde o total sacrifício da vida até uma diminuição da aptidão corporal.

O desempenho altruísta, apesar de contrário ao que se poderia esperar pela teoria darwiniana da evolução biológica, tem sido verificado em várias circunstâncias. O paradoxo do altruísmo animal deriva da simples pergunta: "Como pode um gene se perpetuar se provoca o suicídio de seu fenótipo portador?" A preocupação com este e outros tipos aparentemente anômalos de comportamentos conduziu ao desenvolvimento de uma nova fase no estudo da evolução do comportamento: um casamento entre a etologia e a genética populacional. O interesse pelo estudo do altruísmo animal, inserido na nova disciplina da sociobiologia, indaga sobre uma possível origem filogenética do altruísmo humano.

Na disputa entre a natureza e cultura (Nature or Culture) como fatores dominantes no comportamento humano e que tem tomado um colorido ideológico, a sociobiologia, toma uma posição definida: a própria socialização do homem seria uma das conseqüências das pressões dos mecanismos darwinianos de seleção natural sobre as variedades geradas aleatoriamente.

Boa parte das informações básica da sociobiologia se originou da etologia, que consiste no estudo dos padrões globais de comportamento dos organismos em condições naturais. Com base na ecologia e na genética, a sociobiologia estuda, ao nível das populações, como os grupos sociais se adaptam ao ambiente através da evolução. Toda a forma viva pode, então ser vista como uma experiência evolutiva, um produto de milhões de anos de interação entre os genes e o ambiente. Em suma, a tese central da sociobiologia é que quando a vida social se tornou vantajosa para a sobrevivência, a seleção natural favoreceu os genes favoráveis a este comportamento.

Possivelmente quando não só o mapa, mas também os desempenhos dinâmicos do genoma humano forem decifrados, a disputa biologicistas x culturalistas poderá ter uma expressão mais científica e menos ideológica. Terá o altruísmo humano um componente de origem filogenética? É uma das teses da sociobiologia, ou pelo menos uma hipótese a ser investigada independentemente de sua conotação ideológica.

Por muito tempo os biólogos, particularmente os não familiarizados com a genética, explicaram a evolução do comportamento, tal como o da abelha que deixa o seu ferrão no intruso à colméia embora com isto decretando sua própria morte, porque este comportamento embora fatal ao indivíduo, favoreceria a espécie. Em verdade é o contrário o que ocorre: se um gene favorece um indivíduo, ele se estabelece embora possa reduzir, em longo prazo, a sobrevivência da espécie.

A explicação para esta aparente incongruência é que, em verdade, o indivíduo altruísta, embora desaparecendo, contribui para a sobrevivência de outros indivíduos seus "parentes" que participam de sua carga genética. Isto explica também o ato altruísta dos progenitores, que em geral, na maioria das espécies superiores, sacrificam parte de seu potencial individual para a sobrevivência em favor de seus filhotes. Entre outras estratégias de proteção altruísta, podem fingir um ferimento para distrair o predador. Este fato prevê também que o altruísmo e o comportamento cooperativo é mais freqüente entre indivíduos que mantêm um laço de parentesco do que entre indivíduos estranhos. Desta forma os genes comuns aos parentes são preservados.

Um outro tipo de comportamento cooperativo ocorre entre macacos babuínos. Quando dois machos, A e B, disputam uma fêmea, um deles, B pode solicitar a ajuda de um terceiro C, com um sinal de cabeça facilmente reconhecível. Se a ação deste último facilita a vitória de B que vantagem C obtém? A explicação mais convincente é que este tipo de comportamento altruísta entre indivíduos não parentes, é a reciprocidade. C ganha a possibilidade de ser ajudado por B num futuro confronto.

A dificuldade com esta explicação é que ela não prevê a recusa ou "ingratidão" futura de B prestar ajuda a C quando solicitado. Parece, no entanto, que os padrões de comportamento evoluíram de tal forma que os animais ajudam apenas os indivíduos que os ajudaram o que implica no seu reconhecimento. Recentemente alguns pesquisadores mostraram, mediante modelos matemáticos, que a cooperação pode se desenvolver mesmo entre indivíduos sem parentesco e que jamais terão a oportunidade de se reencontrar para devolver a ajuda recebida. Nestes casos assume-se que dois organismos têm pouca probabilidade de se reencontrar. O indivíduo não espera a ajuda recíproca de quem ajudou no passado, mas de um terceiro. Mas para esta reciprocidade indireta ocorrer é necessário imaginar que os indivíduos observam outros do grupo lhes atribuindo "pontos" imaginários.

Este conceito de reciprocidade indireta tem inspirado alguns autores para traçar um paralelo com a evolução dos sistemas morais nas sociedades humanas. A própria luta ritual (geralmente por sexo), sem prejuízos demasiadamente graves para o perdedor e que ocorre em muitas espécies, e evita escaladas potencialmente fatais, consiste em estratégias desenvolvidas e selecionadas no decurso da evolução que ao mesmo tempo que facilitam o cruzamento dos machos mais aptos, protegem os mais débeis da destruição.

Os torneios simulados em computador da situação denominada de Dilema do prisioneiro, permitem observar como mecanismos artificialmente construídos de geração de variedade aleatória e seleção permitem observar o aparecimento de comportamentos cooperativos a partir de situações de jogo aparentemente de soma-zero. A ideia matriz, tanto do estudo do altruísmo animal, como das simulações mencionadas, é explicar o aparecimento da cooperação a partir de interações administradas pelo egoísmo dos indivíduos.

A sociobiologia apresenta alguma evidência empírica a favor da idéia da origem de "baixo para cima" de alguns traços valorizados da ética humana. Com isto, de algum modo, traz para o campo da pesquisa científica, se bem que em outro registro, alguns aspectos da obsoleta polêmica entre a criação e a evolução.

NOTAS ______________________________
A ciência reporta cinco grandes extinções das espécies ocorridas num passado geológico distante. A primeira há cerca de 440 milhões de anos atrás; a segunda há cerca de 365 milhões de anos; a terceira, a maior de todas, responsável pela extinção de cerca de 98% de todas as espécies existentes, há cerca de 250 milhões de anos; a quarta há cerca de 205 milhões de anos; a quinta ocorreu há cerca de 65 milhões de anos É a mais famosa porque significou a extinção dos dinossauros que dominaram o planeta por cerca de 140 milhões de anos. Uma de suas conseqüências foi ter aberto a possibilidade da subseqüente ascensão dos mamíferos, até então reduzidos a espécies de pequenas dimensões. Alguns cientistas acreditam estarmos vivendo a sexta extinção em massa, agora provocada pelo próprio homem. Calcula-se que cerca de cerca de dois terços de todas as espécies de aves, mamíferos e plantas serão extintos dentro de um século.



REFERÊNCIAS___________________

WILSON ,E,O Sociobiology, Cambridige.Mass, Harvard Univ.Press, p.197

EPSTEIN, I "O dilema do prisioneiro e a ética" in Estudos Avançados 23, USP, Janeiro/Abril 1995, p.149/163

MAYNARD SMITH,J The Evolution of Behaviour, in Scientific American, Setembro, 1978,p. 136

MAYNARD SMITH,J, idem, p.140 

LORENZ,K Studies in Animal and Human Behavior, Harvard, Univ.Press, 1971, Vol.II,p.153

FERRIÈRE,R "Help and you shall be helped" in New Scientist, 11/Junho/98, p.517

ALEXANDER, R,D, The Biology of Moral Systems, New, York, Aldyne, , 1987



Efeito bumerangue: eis a lógica da natureza.

  •