English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
Translate into your language

Tuas forças; tua cura.



OS SERES VIVOS POSSUEM VÁRIOS RECURSOS / MECANISMOS DE AUTOPRESERVAÇÃO E DE RESTABELECIMENTO DA HOMEOSTASE.
Fique claro, aos humanos egoístas / egocêntricos, que não se tratar de presente de Deus aos seus filhos prediletos concebidos à sua imagem e semelhança. Digo isto porque, embora o ser humano se considere o ente vivo mais importante do universo, os recursos de autopreservação e de restabelecimento da homeostase estão presentes desde as fases mais primordiais de concepção da vida e se aprimoram evolutivamente em todas as vertentes filogenéticas. Até porque, se assim não fosse, nem a própria espécie humana seria beneficiada por este fantástico e complexo mecanismo que permite reconhecer o que lhe é próprio e a partir desse reconhecimento ativar e desencadear os mais variados recursos objetivando o restabelecimento da normalidade.

Assim; ser normal e saudável não depende exatamente da sorte! Já a manutenção da saúde, por sua vez, implica viver em harmonia com a natureza que é o princípio e fim de tudo. Quando o modo de vida se afasta do lastro previsto para a concepção da própria vida o tal sistema de reconhecimento sinaliza e espera que haja uma reorientação de rumo, ao tempo em que mecanismos de reparação de danos são ativados. Um exemplo ilustrativo é processo de coagulação sanguínea que é ativado cascata tão logo o organismo é informado que está havendo perda do fluido precioso (o sangue).
esquema de célula eucarionte

Como regra, os mecanismos de reparação consomem bastante energia celular (Trifosfato de Adenosina / ATP) e podem até levar o organismo a exaustão e morte se a normalidade não for restabelecida. Isso porque enquanto houver energia metabólica e metabólitos o organismo continua tentando. Para ilustrar esse fato vou utilizar uma situação hipotética de um indivíduo viciado em drogas, sejam lícitas ou ilícitas. Neste caso é impossível não abordar o fígado que é o órgão mais implicado nas situações envolvendo o consumo de qualquer estranha ao organismo. Constituído, essencialmente, por hepatócitos; essas células possuem citoplasma repleto de uma organela denominada peroxissomo cuja função primordial é desmontar moléculas identificadas como tóxicas e os produtos resultantes desse catabolismo são moléculas de baixa toxicidade, além de moléculas de água e oxigênio que são inofensivas ao organismo. O trabalho de depuração orgânica executado pelo fígado é intenso e essa é a explicação porque um indivíduo viciado em drogas (Ex: álcool, maconha, cocaína, crack, etc) demora algum tempo para apresentar sinais e sintomas clínicos de intoxicação.

Porém, a continua exposição do organismo às moléculas tóxicas obriga o fígado a um trabalho contínuo de depuração e isso vai produzindo morte de hepatócitos (células que integram o parênquima hepático) em quantidade superior ao processo de renovação celular e tecido fibroso vai preenchendo os espaços das células mortas, precedidos de reações inflamatórias. Ao que, genericamente, designa-se hepatite.

Como regra, não é exagero falar que todas as doenças têm causas psíquicas e físicas que levam à intoxicação do organismo por substâncias geradas pelo próprio corpo em reação à adaptação psicológica, emocional, mental ou física às mudanças internas ou introduzidas. Cabe ao Sistema Imunológico identificar essas substâncias e elaborar a melhor estratégia de eliminação. Recuperar a saúde quer dizer livrar-se dessas substâncias e evitar a sua síntese ou introdução. Assim, modificar os hábitos, o estilo de vida, parar o que levou à doença, será o primeiro passo para que o organismo possa voltar a funcionar normalmente.

A percepção de que o corpo possui mecanismos para a autocura não é recente. Relata-se que Hipócrates de Cós (460 a. C - 370 a.C), considerado o pai da medicina, utilizou diversos tratamentos que partiam do princípio de que o corpo possui mecanismos necessários para a autocura. De acordo com esses princípios, o médico deve apenas facilitar esse processo e não intervir diretamente neles. Atualmente, a medicina conhecida como “alternativa ou complementar” utiliza esses princípios nos seus planos terapêuticos. No entanto, a questão não é tão simples quanto contrair ou desenvolver uma doença e esperar sentado que a cura se processe.


Próxima Publicação.

Sangue... Ninguém precisa, até precisar.

  •